Valores Culturais dos Povos Indígenas: Ser índio não é ser contra ninguém. É ser a favor da dignidade da pessoa humana…

Por: Wilson Matos da Silva*

Ao contrario do imaginário popular, não é a indumentária, cor da pele ou posição social que nos diferencia como seres humanos, mas, sim os valores que cultivamos no meio em que vivemos.
Ser indígena (nativo brasileiro) não é apenas estar pelado, pintado para guerra e adornado com plumas, mas, sobretudo, ver o mundo desprovido de valores mercantilista (cosmovisão), respeitando a natureza e interagindo com ela. Uma das capacidades que diferenciam o ser humano dos animais irracionais é a capacidade de produção de cultura.
A importância com a qual vemos o mundo, e os princípios que regem nossa relação interpessoal na tribo são normas, princípios ou padrões sociais aceitos ou mantidos por um povo, Aldeia, povos, etc.
Para Edward Burnett Tylor antropólogo inglês, “Cultura… é o complexo no qual estão incluídos conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes e quaisquer outras aptidões e hábitos adquiridos pelo homem como membro da sociedade.”

A herança cultural não se confunde, porém, com a herança biológica. O homem ao nascer recebe essas duas heranças: a herança cultural lhe transmite hábitos e costumes, ao passo que a herança biológica lhe transmite as características físicas ou genéticas de seu grupo humano.
O modus vivendi, ou como nosso povo vive, está assegurado na Constituição Federal, Art 231, “são assegurados aos índios seus usos costumes, línguas, crenças tradições…” as terras à prática desse modo de vida, também estão garantidos § 1º, – São terras tradicionalmente(…) as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições.
Não se pode, portanto, ficarem fazendo comparações bestiais, ou seja, comparar a produção mercantilista do Fazendeiro, com a produção cultural dos povos indigenas, cada uma tem sua valoração. Por ex. poderia dizer que os latifúndios servem para engordar bois para alimentar europeus, retrucar-me-iam retumbante que servem para equilibrar a balança comercial; eu tornaria dizendo quantos bois ou sacas de soja, eqüivaleria apenas um pequeno integrado que importamos dos EUA, Japão e outros. Em fim, de que essas comparações bestiais serviriam?
Se fizermos comparação da forma de produção, do japonês e do brasileiro, por certo, seriamos tidos como preguiçosos. No entanto, temos que considerar as diferenças culturais que nos proporciona o “continente” Brasil. Então não é o japonês trabalhador e o Brasileiro preguiçoso, apenas eles sobrevivem em condições totalmente adversa das do brasileiro.
È preciso sim respeito à nossa diversidade cultural. Lembro-me de quando um cacique foi convidado a um sobrevôo nas terras indígenas que seriam demarcadas. No vôo representante do Governo, MPF e representante dos fazendeiros. Ao sobrevoarem a divisa da aldeia o Fazendeiro bradou orgulhoso às autoridade, olhem doutores, ate aqui está tudo plantado tem de tudo, apontando para sua plantação, e, apontando para a reserva disse daqui em diante não tem nada só mata.
O cacique olhou para as autoridades e retrucou, não doutor é ao contrario aqui e que não tem nada, apontando para a lavoura do fazendeiro, só tem soja, não tem mais nenhuma vida, o ar esta poluído com o agrotóxico, todos os animais e pássaros morreram ou fugiram pra as matas até a água esta poluída; e apontando para a reserva disse olha doutor aqui tem de tudo paca, porco – do- mato, onça capivara, pássaros etc, até a produção do ar que ele respira apontou para o fazendeiro.
Esta visão de que o índio tem que pensar e agir como o “civilizado”, é a visão integracionista que foi fulminado pela Constituição de 88, é o pensamento de sobreposição cultural, julgando ser o índio sem cultura ou pior julgando ser a cultura do “civilizado” melhor que a dos nosso povos
Assim, nossos valores culturais, para com as nossas terras não é comercial, é a própria vida. O que importa se estas deixarem de “produzir” algumas sacas de soja, por certo não quebrará a balança comercial do país.
Tomo emprestado a pena do festejado Mestre e Colega, professor doutor Fabio Trad, para finalizar estas reflexões. “(…) O Índio é um ser diferente do homem “civilizado”, que canta e se veste diferente de nós outros, que pinta o corpo e lança flechas, dança ritmos estranhos, vivendo assim despretensiosamente sem preocupar-se com os ingredientes que nos distinguem:

“SUA MATEMÁTICA NÃO É CONTÁBIL; SEUS LUCROS NÃO SÃO MATERIAIS; SUAS MÚSICAS NÃO BUSCAM AUDIÊNCIAS; SUAS PRECES NÃO NEGOCIAM O PERDÃO; SUA FILOSOFIA SE FAZ COM ÁGUA, TERRA, URUCUM, MANDIOCA, IGUALDADE E AMOR À VIDA”.

Ser índio não é ser contra ninguém. É ser a favor da dignidade da pessoa humana. Esta dívida histórica tem que ser paga com urgência. Cabe àqueles que tem esperança de estancar este processo genocida a tarefa de levantar o povo e despertar a consciência cívica da nação. A omissão será cobrada pela história de forma implacável.”

* Wilson Matos da Silva: É Índio residente na Aldeia Jaguapirú, Advogado, Pós-graduado em Direito Constitucional, Presidente da Comissão Especial de Assuntos Indigenas da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do MS (CEAI OAB/MS), e Advogado da Warã Instituto Indígena Brasileiro com sede em Brasília E-mail wilsonmatosdasilva@hotmail.com.

Fonte: Jornal O Progresso

http://www.progresso.com.br

Um comentário sobre “Valores Culturais dos Povos Indígenas: Ser índio não é ser contra ninguém. É ser a favor da dignidade da pessoa humana…

  1. PARABÉNS pelo trabalho.
    Além de cursas Direito na UCS-Canela, participo de um grupo de estudos, para o qual escolhi a área de Direito Constitucional. Pretendo salientar a parte de Integração Latino Americana e a questão indígena, que é evidente em TODOS os países deste continente.
    Creio que mudanças estão acontecendo na nossa região, principalmente no que diz respeito à consciencia humana e nas evidentes riquezas de nossas terras. Se puderem ajudar-me com mais informações, ficarei agradecido. obrigado

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s