Árvores nobres viram carvão no Pantanal

Agentes do Ibama afirmam que multas não dão resultados e destruição continua. Segundo índios, além de carvoarias, pecuaristas também destroem a mata para criar gado.

Árvores nobres e protegidas por lei estão virando carvão em Mato Grosso do Sul . Só mesmo de helicóptero os técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama ) conseguem calcular o tamanho da destruição. Em uma fazenda, no Pantanal , o desmatamento atinge 400 hectares.
Há dois meses, os fiscais do Ibama estiveram em uma carvoaria. Eles multaram o dono e embargaram os 40 fornos. A queima deveria ter parado, mas não é o que acontece. A fumaça que sai dos fornos é sinal de que árvores nativas do Cerrado, que deveriam estar sendo protegidas, continuam virando carvão.

São mais de oito mil árvores amontoadas no local e algumas têm o corte proibido. “É um contra-senso muito grande. Uma madeira nobre como peroba, o próprio quebracho, estão virando carvão vegetal. Isso aí a gente não pode admitir em hipótese alguma”, afirmou o analista ambiental do Ibama Luiz Benatti.

O dono da carvoaria foi novamente notificado e vai ser multado em mais de R$ 1 milhão. Medidas que os próprios agentes do Ibama sabem que não têm dado resultado. “O número de fornos está aumentando. Na outra parte já desmataram bastante, agora está adentrando o Pantanal”, disse o técnico ambiental do Ibama Antônio Carlos Schünke.

Os advogados da carvoaria afirmam que respeitam as leis. “As legislações pertinentes estão sendo respeitadas, tanto que as autorizações ambientais foram concedidas, a empresa está cadastrada perante o Ibama e solicitou sua licença ambiental”, disse a advogada da empresa, Vanessa Lopes.

A destruição é dentro de uma reserva indígena, entre Porto Murtinho (MS) e Corumbá (MS), região do Pantanal. No local, vivem 1,2 mil famílias da tribo Kadiwéu. Segundo os índios, pecuaristas também estão destruindo a mata para a criação de gado.

Os fazendeiros da região foram notificados e as máquinas usadas para derrubar as árvores acabaram confiscadas. “Isso aí não é só ruim para a comunidade indígena, mas também para toda uma população. A gente também tem que lutar pela preservação do meio-ambiente”, afirmou o chefe da divisão de Meio Ambiente da Funai, Ricardo Araújo.

A Secretaria de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul declarou que deve suspender as autorizações concedidas para a queima de carvão e para a abertura de novas pastagens no Pantanal


Fonte: G1/Jornal Nacional  /  http://www.ultimahoranews.com

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s