Monocultura do eucalipto causa danos ao extremo sul da Bahia

BRASIL

Monocultura do eucalipto causa danos ao extremo sul da Bahia
Terras agricultáveis e de boa qualidade, mão-de-obra barata, apoio e financiamento do governo. Este foi o cenário que atraiu empresas de papel e celulose para o extremo sul da Bahia e dar início ao plantio de eucalipto na região durante os anos 90. Segundo dados do Centro de Estudos e Pesquisas para o Desenvolvimento do Extremo Sul da Bahia (Cepedes), hoje a região possui cerca de 600 mil hectares de eucalipto plantado, num modelo de exploração que traz sérios problemas ambientais e sociais. “Todas as empresas de celulose receberam financiamento do governo através do BNDES. Mais precisamente dinheiro do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que deveria ser usado para gerar emprego e renda para o povo brasileiro”, explica Ivonete Gonçalves, da equipe executiva do Cepedes.
A entidade denuncia que diversas propriedades com plantio de eucalipto não possuem reserva legal averbada como exige a legislação – a reserva faz parte das condicionantes no licenciamento de implantação do projeto. O plantio do eucalipto, que é uma espécie exótica, provoca a destruição da fauna e da flora nativas. Demanda-se uma grande quantidade de água tanto para plantar o eucalipto quanto para a produção de celulose nas fábricas, o que provoca o esgotamento das fontes de água, sem falar no uso extensivo de agrotóxicos que envenenam rios, córregos, lençóis freáticos, etc. As empresas negam todos os efeitos negativos e dizem que plantar eucalipto é muito melhor do que pastagem.

Com relação aos problemas sociais, a silvicultura do eucalipto está provocando o êxodo rural na região. Num levantamento feito recentemente pelo Cepedes, a cidade de Eunápolis possui o maior índice de êxodo rural dos últimos anos. Segundo as pesquisas, o patamar, que era de 9,92%, pulou para 5,89%, equivalente a 59,37% (o maior índice nacional é de 28%) de pessoas a menos na zona rural, a partir do início dos anos 90, com a chegada da monocultura do eucalipto.

Um exemplo dessa situação ocorreu em 1994, durante a instalação da Veracel Celulose no município. A imprensa regional divulgava na época que a Veracel iria gerar cerca de 12 mil empregos, o que provocou uma correria de pessoas de outros municípios e até de outros estados, como Minas Gerais e Espírito Santo, em busca de emprego. Na verdade, foram gerados 11,5 mil empregos no ano de 2004, 80% destes na área de construção das instalações físicas. Atualmente, apenas 739 empregos diretos e 3.150 indiretos são gerados, número bem longe dos 12 mil prometidos.

As empresas de eucalipto pagam um alto valor para comprar ou arrendar as terras, acarretando o refúgio de peões de roça, vaqueiros, tropeiros, pequenos agricultores, bandeiradores de cacau e outras categorias. Segundo Ivonete, todas as terras agricultáveis estão nas mãos das empresas de celulose, o que inviabiliza a reforma agrária na região. “Cerca de 12 mil famílias estão acampadas nas estradas do extremo sul esperando a realização de seu sonho, um pedaço de terra para alimentar os seus filhos”, destaca.

O Cepedes vem desde 1991 documentando todas as ilegalidades das empresas de celulose, denunciando-as aos órgãos competentes e fazendo a divulgação entre os continentes. “A Veracel, por exemplo, possui 863 processos na Justiça do Trabalho contra ela. Neste ano, pedimos ao Governo do Estado a moratória do plantio, visto que o próprio governo admite que não possui estrutura para fiscalizar. As empresas têm conhecimento disto, mas aproveitam a situação para continuar plantando, comprando e arrendando terras”, finaliza Ivonete.

Fonte: http://www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=31146

 

Anúncios

  1. Henrique Wittler

    Tenho visto e escutado muitas críticas ao plantio do eucalipto mas no entanto, mesmo com a reação de muitas áreas com grande capital, não encontrei nenhum documento técnico que prove que o eucalipto seja um agravante para a falta de água nem que tenha destruído a boa terra.
    Pelo contrário a hidrologia nos ensina que plantações de árvores ajudam a evitar a eros~~ao e mantêm os lencõis freáticos mais carregados.
    Para me convencer que o eucalipto, plantado em áreas alternativas (não dessiminados como a soja etc…) sejam prejudiciais.

    Eng Henrique Wittler

  2. Carlos

    Infelizmente ainda vivemos o modelo de exploração dos tempos da colônia no Brasil – Antigamente era a cana de açúcar, depois veio o café. Agora temos essa planta exótica que é cultivada de forma extensiva, sem manejo, sem projeto de desenvolvimento sustentável. O Senhor Wittler está desinformado quanto aos danos que uma plantação massissa de eucaliptus causa ao solo. MAs convido qualquer um a tentar semear algo em terras onde antes havia uma floresta de eucaliptus…

  3. SAULO PAIM

    AS EMPRESAS ESTRANGEIRAS ESTAO COMPRANDO MUITAS TERRAS NO MUNICIPIO DE ENTRE RIOS(BA) E A MINHA FAZENDA FICA NO MEIO DELAS, AGORA MESMO TEM UM MÊS QUE NAO CONSIGO ENTRAR NELA, POIS ELES ACABARAM COM MINHA ESTRADA DA FAZENDA. O PIOR QUE ELES NÃO RESPEITAM NINGUEM E ALÉM DA FALTA DE FISCALIZAÇÃO. MINHA PROPRIEDADE PASSA UM RIO E TEM UMA NASCENTE GRANDE DENTRO DELA E UMA BOA RESERVA DE MATA NATIVA(65%)E COM ISSO FICO PREOCULPADO, ASSIM ELES VÃO ACABANDO ME FORÇANDO A VENDE-LÁ PARA ELES E PIOR QUE ELES ESTÃO COMPRANDAS AS TERRAS COM PREÇOS BAIXOS DO MERCADO. GOSTARIA DE SUGESTÕES POR FAVOR! SOCORRRO!

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s