DIREITO DE RESPOSTA NA IMPRENSA

1357 – DIREITO DE RESPOSTA NA IMPRENSA
Rede Internacional BECE-REBIA
Rede Brasileira de Informação Ambiental
 
Prezado Editor de O ECO,

Azelene Kaingáng é uma legítima liderança indígena na defesa dos direitos humanos. É uma mulher premiada, com histórico de compromisso.  Tanto que, há pouco, Azelene Kaingáng participou diretamente  da produção da Declaração dos Direitos Indígenas Organização das Nações Unidas (ONU). Foi, ainda, uma das sete indicadas por nós ao Prêmio Bertha Lutz – edição 2008 (Boletim 1354, da BECE-REBIA)

Por isso, causa-nos estranheza e indignação ver o seu nome citado na matéria “Porto da discórdia”, de Cristiane Prizibisczki, publicada pelo site O ECO em 15 de março de 2008. Por que O ECO não a consultou? Por que o ECO não pesquisou em nossas redes, já que existe um registro público sobre o assunto? Por que O ECO ignorou o e-mail enviado por Azelene Kaingáng, esclarecendo sua participação na questionada reunião?

Atenciosamente,

Amyra El Khalili – mulherespelapaz@bece.org.br
Movimento Mulheres pela P@Z!


Anexo:  * E-mail para rastreamento com estes esclarecimentos postado em lista pública. * Relação das Indicadas ao Prêmio Bertha Lutz Edição 2008.

“Enquanto a pobreza fizer sofrer os pequenos…não justifica lutarmos pela preservação ambiental, porque a vida é o mais nobre de todos os bens… ” Azelene Kaingáng
 AZELENE KAINGÁNG

PELO DIREITO DE RESPOSTA NA IMPRENSA
 
 

Estimada Amyra e tod@s com uma saudação especial, agradeço sua confiança e sensibilidade sobre as injustas acusações que me fizeram e fazem, acusações estas que me renderam muitos aborrecimentos. Irresponsabilidade é pouco, para caracterizar a capacidade que pessoas que se quer conhecem nossas lutas tem de tentar destruir toda uma vida… e se sentem no direito de acusar-nos como quem faz um elogio…

Estimada Amyra, o que sempre me conforma é que aquele que me pôs nesse mundo com uma missão tão especial sabe que não foi e não é assim…e o mais importante é que o Criador…aquele que tudo vê e que é quem nos pode julgar e que creio firmemente que é quem guia meus passos e me ilumina a cada, dia sabe que tudo isso não passa de calúnia de pessoas que defendem nada mais que os seus mesquinhos interesses e não os dos Guarani.
 
Sabemos que eles se encontram numa situação terrível, e que continuarão sofrendo se alguém não fizer algo por eles, são aproximadamente 90 crianças desnutridas, muitos casos de DST e tuberculose e não vejo ninguém tomar uma providência concreta sobre isso. Fui exonerada sim por causa dessa reunião da qual participei, mas se preciso fosse faria tudo outra vez, porque não fiz mais do que minha obrigação em esclarecer para a minha gente que estavam sendo enganados, porque ja haviam dois pareceres oficiais que negavam o direito histórico deles sobre suas terras e isso incomodou muita gente…no final é o velho ditado “a corda sempre rompe do lado mais fraco”… enquanto eu provava que os índios estavam sendo enganados, me acusaram de estar negociando direitos indígenas…mas o importante é que os Povos, Organizações e muitas lideranças indígenas no Brasil e no mundo continuam a acreditar no meu trabalho dedicado a defender os direitos humanos dos Povos Indígenas…
 
Enquanto a pobreza fizer sofrer os pequenos…não justifica lutarmos pela preservação ambiental, porque a vida é o mais nobre de todos os bens…
 
Abaixo envio a nota de repudio assinada por organizações e lideranças indigenas em relação ao ocorrido.
 
Com Saudações Indígenas,
 
Azelene Kaingáng <kaingang@gmail.com>
——————————————————————————–
 

NOTA DE REPÚDIO

Por meio deste documento, o Warã Instituto Indígena Brasileiro, seus filiados e os demais ao final relacionados, vêm a público, formalizar veemente repudio às falsas e graves acusações disponibilizadas em redes de internet, que tem como único objetivo denegrir a imagem e a reputação ilibada da socióloga indígena Azelene Inácio Kaingang.

Não somente quando esteve à frente do Warã Instituto Indígena Brasileiro, Azelene Inácio Kaingang ou Azelene Kaingang como é mais conhecida, se dedicou à defesa e garantia dos direitos humanos dos Povos Indígenas, dentre os quais especialmente os direitos territoriais como patrimônio maior dos Povos Indígenas, os quais tratou de consolidar na Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, mas dedicou toda a sua vida a esta missão, recebendo diversos prêmios que coroaram a sua luta, sempre ancorada no princípio da boa fé e no diálogo democrático.

Igualmente, Azelene Kaingang, foi e é a principal interlocutora dos Povos Indígenas Brasileiros nos diversos fóruns internacionais (ONU e OEA) que desecandearam em dispositivos jurídicos que contribuíram e contribuirão para a solidificação dos direitos dos Povos Indígenas do Brasil e do mundo. Por conhecer o caráter da brilhante profissional dessa líder indígena é que chancelamos a nossa confiança incondicional a essa simples e dedicada mulher, a essa guerreira que ousou e ousa desafiar os poderosos desse País e as máfias partidárias que negociam desavergonhadamente os direitos indígenas. Para tudo há um preço e Azelene está pagando o preço por informar a um Povo Indígena os mais novos direitos conquistados com a Declaração das Nações Unidas, entre esses a autonomia e o direito a livre determinação. Sabemos que os tutelistas de plantão, que ousam decidir pelos índios em pleno século XXI, serão implacáveis, já que não admitem que os Povos Indígenas são sujeitos da sua própria vontade e dos seus destinos. Ainda nos custará muito, até que nos libertemos de fato do ranço tutelista e das teorias e políticas retrógradas das quais somos vítimas cotidianamente, exemplo disso são os conflitos e a verdadeira guerra que os nossos Povos travam contra o PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), onde o governo federal insiste em não reconhecer e cumprir os Instrumentos Internacionais de Direitos Humanos dos quais é signatário, mas não hesitaremos em transformar a Declaração da ONU na “Lei Áurea” dos Povos Indígenas desse País.

É natural que o poder seja implacável com uma indígena que declara numa das mais importantes revistas de circulação nacional (ISTO É – edição de 7 de dezembro), que “A Declaração será a borduna dos índios nos próximos séculos”, e que “No Brasil, vai dar uma freada no PAC.” ” Ficará bem mais fácil impedir a exploração de minérios em terras indígenas, que vai precisar de aprovação das aldeias”. “Não acreditamos que mineração em terra indígena melhore as condições de vida dos índios e gere riqueza”, “Isso só traz prostituição e doenças.” Essas e outras falas de Azelene demonstram a serenidade e a indubitável certeza do seu compromisso com os direitos indígenas.

Por tais razões os membros do Instituto Warã, e todas as pessoas de bem e de boa fé que conhecem a carreira desta importante socióloga e mulher indígena, e que sabem de sua significativa contribuição para os direitos indígenas e para o Movimento Indígena Brasileiro, repudiam as acusações absurdas veiculadas na internet e exigem respeito e seriedade, palavras estas que traduzem toda a trajetória de sua vida.

Vale informar que todas as providencias jurídicas já estão sendo adotadas no sentido de que os autores de tais calunias e injúrias não fiquem impunes.

Brasília, 27 de fevereiro de 2008.

Com Saudações Indígenas,

Warã Instituto Indígena Brasileiro

Warã Sul

COAPIRS – Coordenação e Articulação dos Povos Indígenas das regiões Sul e Sudeste

AUIKG – Associação dos Estudantes Universitários Indígenas Kaingáng e Guarani

Instituto Kame

Comitê de Defesa dos Direitos Indígenas – MS

APITO

CONAMI – Conselho Nacional de Mulheres Indígenas

Instituto Raoni

Cultural Institute Brasil-Canadá

Raoni Metuktyre

Megaron Txucarramãe

Akiaboro Kaiapó (Líder maior do Povo Kaiapó do Sul do Pará)

Alexandra Paliano – Administradora de Empresas – Kaingáng

Roselinda Kaingáng – Pedagoga

Cleusa Alves – Professora Indígena

Irene Kaingáng – Vice-Cacique da Terra Indigena Palmas

David Wapichana – Advogado Indígena

Júlio C. Inácio – Agrônomo e Mestre em Ecologia

Anúncios

  1. Robin Hood brasileiro

    AZELENE E/OU WARÃ,
    não estou compreendendo esses processos apresentados p/ vcs nesta reunião negando as terras em questão à T.I Piaçaguera, se, desde 2002 a Funai já teria analisado e comprovado que as terras são indígenas, inclusive foi publicado no Diário Oficial da União, quer dizer então que esta analise e comprovação deste orgão federal, que é o tutor dos índigenas brasileiros de nada servem, sendo que demonstrou ser favorável as causas dos índios???
    Porque vcs agindo desta maneira, alegando que a Funai estava mentindo p/ eles porque já teriam perdido a causa na justiça e assim beneficiando a empresa LLX que tb estava presente nesta reunião levados p/ vcs, sendo que a Funai comprovou ser inverdades os seus argumentos e provas que foram montadas p/ aparentar serem verdadeiras, o que gerou contendas entre eles nesta comunidade, sim!…

    http://www.funai.gov.br/ultimas/noticias/1_semestre_2008/fevereiro/4429.pdf >DESPACHO DO PRESIDENTE>Em 20 de dezembro de 2002…

  2. Robin Hood brasileiro

    AZELENE E/OU WARÃ,
    Olá,
    não estou compreendendo esses argumentos apresentados p/ vcs nesta reunião, alegando a perda dessas terras em questão à T.I Piaçaguera, se desde 2002 a Funai já teria analisado e comprovado que as terras são indígenas, inclusive foi publicado no Diário Oficial da União, quer dizer então que esta analise e comprovação deste orgão federal, que é o tutor dos índigenas brasileiros de nada servem, sendo que demonstrou ser favorável as causas dos índios???
    Porque vcs agindo desta maneira, alegando que a Funai estava mentindo, porque já teriam perdido a causa na justiça e assim beneficiando a empresa LLX que tb estava presente nesta reunião levados p/ vcs, sendo que a Funai comprovou ser inverdades os seus argumentos e que as provas foram montadas p/ aparentar serem verdadeiras, o que gerou contendas entre eles nesta comunidade!?…

    http://www.funai.gov.br/ultimas/noticias/1_semestre_2008/fevereiro/4429.pdf >DESPACHO DO PRESIDENTE>Em 20 de dezembro de 2002…

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s