Educadores discutem calendário escolar indígena

Educadores discutem calendário escolar indígena

HOME PAGE GAZETADIGITAL.COM.BR, 02.09.2008

Para atender a tantas especificidades, o processo educacional nas aldeias, precisa ser, ao mesmo tempo, intercultural, bilíngüe e até multilíngüe. O tempo escolar não é determinado apenas pelo calendário, mas por fatores culturais da população em que a escola está inserida.

O indígena Amadeu Horota Awe, que é o diretor da Escola Indígena Xavante, do município de Campinápolis, conhece bem esta realidade. Sua escola e seus 61 alunos convivem com os problemas estruturais e de falta de algum tipo de material que eventualmente acontecem em qualquer escola, rural ou urbana. Ele administra também a situação em algumas épocas em que é paralisada a atividade escolar, porém, em circunstâncias em que estes fatos não são considerados um problema: são sim momentos de perpetuação daquela cultura.

É o caso, por exemplo, das cerimônias para o amolecimento das orelhas dos jovens, para perfuração e colocação de enfeites. Estes momentos podem durar até um mês. Paralisações como essa ocorrem em outros momentos do ano, a exemplo de uma corrida em que toda tribo é envolvida e solenidades para a caça. De acordo com Amadeu, tem outros momentos em que as aulas são paralisadas pelas queimadas.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s